Micro e pequenas empresas participam mais do setor de serviços

Pesquisas do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-SP) revelam o aumento da participação das empresas paulistas no setor de serviços, que já representam 38% dos empreendimentos – um cresccrescimentoimento de 11% em relação ao período do último estudo em 1999. A expectativa para os próximos cinco anos é que esse número continue crescendo e que o setor terciário seja mais representativo na economia de São Paulo. “O modelo de produção está mudando e a contratação de serviços terceirizados nas pequenas empresas é algo cada vez mais presente. Isso será uma tendência”, afirma Ricardo Tortorella, diretor superintendente do Sebrae-SP.

Outro aspecto revelado pelo estudo está relacionado aos motivos que levam empresários a abrirem suas empresas. Há dez anos, a cada dois empreendimentos abertos diante de uma oportunidade, uma nascia pela vontade do empresário ter o controle de um negócio próprio. Hoje, 77% dos profissionais ouvidos na pesquisa disseram que abriram sua empresa após ter identificado uma boa oportunidade. “Os empresários estão percebendo a importância de uma boa preparação e do uso de ‘ferramentas’ certas para gerir seus negócios. Grandes líderes no mercado têm muitos anos de estudo e isso é fundamental para o sucesso”, diz o diretor.

A escolaridade dos empreendedores também é um fator que cresce ao longo dos anos e a maioria já possui ao menos o ensino médio. Entre 1995 e 1999, 64% dos novos empresários apresentavam esse nível de escolaridade, entretanto, no período de 2003 a 2007 o índice aumentou representativamente, alcançando 79%. Para o Sebrae, novos desafios surgirão com as tendências reveladas no estudo. “O aumento da qualificação do empreendedor ao longo do tempo trará mais desafios para atender às demandas desse público. Precisarão ser criados produtos e serviços que atendam às suas exigências, que serão cada vez maiores”, diz Ricardo Tortorella, diretor superintendente do Sebrae-SP.

Com 30,9% das 5,5 milhões de micro e pequenas empresas do país, o Estado de São Paulo apresenta o dobro de empresários, quando comparado à última pesquisa de 1999, com até 24 anos – cerca de 6%. Entretanto, cerca de três quartos dos novos empreendedores ainda estão na faixa de 25 a 49 anos, faixa etária que não sofreu alterações ao longo dos 12 anos de monitoramento do Sebrae. Também se manteve constante a presença dos homens como empresários, com uma participação de 64%.

Fonte: IG Economia

 

 



Mais